SOU DO CEARÁ


"Eu sou de uma terra que o povo padece
Mas não esmorece e procura vencer.
Da terra querida, que a linda cabocla
De riso na boca zomba no sofrer
Não nego meu sangue, não nego meu nome
Olho para a fome , pergunto o que há ?
Eu sou brasileiro, filho do Nordeste,
Sou cabra da Peste, sou do Ceará."


Patativa do Assaré

quinta-feira, 9 de julho de 2009

BEATA MARIA DE ARAÚJO




BEATA MARIA DE ARAÚJO
Da janela da casa nº 239 da antiga Rua do Arame, hoje Padre Cícero, uma senhora me atendeu com cara de espanto, quando perguntei se lá morou a beata Maria de Araújo. Também eu me assustei, pois parecia estar vendo a própria beata, tal a semelhança entre as duas, segundo descrição que colhera nos livros: magra, pele negra, cabelos crespos. Acordei dessa fugaz viagem e antes que a “sósia” me fechasse a janela na cara tratei de explicar-lhe que estava a escrever um romance sobre a protagonista do milagre de Juazeiro e queria saber se naquela casa haveria algo sobre ela: algum escrito, uma foto, uma placa... Dirimidas as dúvidas, ela colocou os cotovelos na janela e respondeu: “Nada! Não tem nada dela aqui não”.

Esta mulher tem, talvez, a mesma idade que teria a beata antes de falecer nesta mesma casa, em 1914. Em torno de 51 anos – de novo viajei. A moradora falou ser freira, que a casa é da diocese, e que mora com outras naquele local há poucos anos. “Mas irmã, em todas as casas onde Padre Cícero morou tem lá suas marcas, seus objetos pessoais, sua história.” Animou-se e disse que sentia muito, mas que realmente não havia nada mesmo na casa, que identificasse a beata. Acrescentou saber de toda a história.
Que admirava Maria de Araújo, mas a Igreja apagou todos os vestígios para que ninguém soubesse que ela um dia tivesse existido. Proibiram até que se falasse em seu nome. No entanto, estava havendo um movimento na igreja para reabilitá-la. Que eu podia ir à Capela do Socorro e ver que existe um lindo vitral em sua homenagem, na parte de cima, junto com Padre Cícero e alguns santos. Que na entrada do cemitério acoplado à capela, há uma placa fazendo menção à morte da beata. E só, pois seu corpo desapareceu desde 1930.

Dia 28, passado, abri o jornal O POVO na página sobre o Cariri e fiquei feliz: no local onde nasceu a injustiçada beata vai ser fixada uma placa em sua memória.




Nilze Costa e Silva - Escritora

3 comentários:

  1. Parabens à escritora Nilze Costa e Silva Pelo livro "Mulher Sem Túmulo" -vida romanceada de Maria Araújo. Chocante em alguns momentos, reflexivo em outros, é um resgate histórico de fatos que não encontram espaço para serem divulgados por terem ocorrido no nordeste do país.

    ResponderExcluir
  2. Olá! Como comprar esse romance de Nilze Costa e Silva? Já procurei, mas não encotrei.

    ResponderExcluir
  3. Ernesto Jazade, infelizmente no Ceará, ainda não temos uma Livraria especializada em Autores CEARENSES, ( UMA LUTA DO GRUPO CHOCALHO, tanto a Livraria como também uma COOPERATIVA, que distribuiria os livros dos Escritores e Poetas do Ceará ).
    Você poderá procurar nas livrarias ao Livro Técnico, que vende Livros de Autores Cearense.
    A outra opção é com a própria AUTORA:(85 86 43 88 87 )ou 32 41 02 01. A editora 85-32249780.
    E-mail nilze@terra.com.br e o da Editora:
    armazemdacultura@armazemcultura.com.br
    ACREDITO QUE NA FUNDAÇÃO DEMÓCRITO ROCHA, JORNAL O POVO ( AV. AGUANHAMBI ) VOCÊ PODERÁ
    ENCONTAR O LIVRO DA NILZA.

    BOA SORTE !

    ResponderExcluir